Carro Caído

Padrão

xxx

«O negro vinha da Aldeia Velha, servindo de carreiro. O carro tinha muito sebo com carvão nas rodas e chiava como frigideira. Aquilo não se acaba nunca.
Sua Incelência já reparou os ouvidos da gente quando está com as maleitas? Pois é tal e qual.
O carreiro era meu charapim: acudia pelo nome de João, como eu.
Deitou-se nas tábuas, enquanto os bois andavam para diante, com as archatas marejando suor que nem macacheira encroada.
Levavam um sino para a capela de Estremoz. Na vila era povo como abelha, esperando o brônzeo para ser batizado logo.
João de vez em quando acordava e catucava a boiada com a vara de ferrão:
– Eh, Guabiraba! eh, Rompe-Ferro! eh, Manezinho!
Era lua cheia.
Sua Incelência já viu uma moeda de ouro dentro de uma bacia da Flandres? Assim estava a lua lá em cima.
(…)

É uma das lendas mais antigas e conhecidas no litoral do Estado (de Minas). Denomina mesmo um recanto da lagoa de Estremoz, município do Ceará Mirim, numa curva onde as águas são escuras pela própria profundeza, no fundo dum aclive. E de origem portuguesa.

Em Minas Gerais, no folclore do S. Francisco, conta-se lenda semelhante, o carro de Maria da Cruz, mulher rica que obrigava seus escravos ao trabalho nos dias santos e domingos. Num desses dias, um carro de bois caiu no rio, com carreiro e tudo, e continua cantando, o homem tangendo as juntas, no fundo da água corrente.

Um poeta norte rio-grandense, António Soares de Araújo, fixou a lenda do carro caído com nitidez e fidelidade:

Conta uma antiga lenda: Certo dia,
Por um pobre carreiro transportado,
Ia num carro o sino encomendado
Para a matriz da nova freguesia.

E o boi do carro, a caminhar sofria
Uma sede cruel… Volvendo a um lado,
Vê a lagoa, e avança… Fatigado,
Sobre o carro o carreiro adormecia.

Num canto, o boi penetra… Repentino,
Tomba o carro no abismo traiçoeiro,
Tudo arrastando no fatal destino!

E, desde então, à noite, o caminheiro
Ouve, ao passar ali, dobres de sino,
E uns saudosos gemidos do carreiro…»

Lendas Brasileiras
Luís da Câmara Cascudo

Anúncios

L’étang de feu | O tanque de fogo

Padrão

Le_Chat_face_à_l'ogre

«Il y avait, jadis, tout au fond de l’immense Russie, un village où vivait une femme dont tout le monde avait peur. Elle était aussi méchante et aussi laide qu’elle était riche, ce qui n’est pas peu dire. En effet, elle possédait à elle seule plus de la moitié de terres du village. Elle y
faisait travailler de pauvres journaliers qu’elle payait fort mal et renvoyait sans scrupules dès qu’ils tombaient malades. Elle ne se souciait pas de savoir s’ils retrouveraient un emploi, s’ils parviendraient à nourrir leurs enfants et à leur donner un toit. Du moment qu’ils n’étaient plus en mesure de la servir, elle les chassait. Jamais personne ne l’avait vue donner quoi que ce fût. Aussi, dans son village, même les gens les plus charitables la vouaient aux flammes
de l’enfer, disant qu’elle finirait bien pour payer dans l’autre monde tout le mal qu’elle avait fait dans celui-ci.»
«Na Rússia profunda existia outrora uma aldeia onde vivia uma mulher a quem todos temiam. A sua fealdade e maleficência iam de par com a sua riqueza, o que não é coisa pouca. Com efeito, mais de metade das terras da aldeia estavam em seu poder. Essas terras eram lavradas pelos pobres jornaleiros, a quem pagava miseravelmente e que despedia sem o menor escrúpulo caso ficassem doentes. Tanto lhe fazia que não arranjassem depois um emprego, ou que não conseguissem sustentar os filhos. A partir do momento em que deixavam de ter serventia, mandava-os embora. Nunca ninguém a viu dar nada de seu. A tal ponto que até as pessoas mais caridosas da aldeia faziam votos para que ardesse nas chamas do inferno, dizendo que acabaria por pagar no outro mundo todo o mal que causara neste.»

.

Lire la suite                                                                                   Continua aqui

F. Xavier de Novaes

Padrão

 

Faustino_Xavier_de_Novaes

PRETENSÕES

«(…)
E, também, erro seria
Não subir ao céu rotundo,
Quem, no fogo da poesia,
Teve o inferno neste mundo.
– Inferno de desalentos,
De torturas incessantes,
De fartura de tormentos,
De fome de consoantes,
De mordeduras nas costas,
De incenso podre nas ventas,
De alvitadoras propostas,
De muitas coisas nojentas,
De paixões mal empregadas,
De atribuídas asneiras,
De ilusões aniquiladas,
De… cotão nas algibeiras.»

Faustino Xavier de Novaes

Myhologie | Mitologia

Padrão

1024px-Luca_Giordano_009

«La fonction première d’une mythologie, mythes et rituels mythiques, chants sacrés et danses cérémonielles, est d’éveiller en chacun le sens du respect, le goût de l’étonnement et le désir à participer à l’insondable mystère de l’être.»
«A principal função duma mitologia, mitos e rituais míticos, cânticos e danças sagradas, é despertar em cada um de nós o sentido do respeito, a sede de espanto e o querer participar desse insondável mistério do ser.»
 .
J. Campbell

Catulle Mendès

Padrão

Inauguration_du_monument_de_Catulle_[...]Agence_de_btv1b9021992h

«Reste. N’allume pas la lampe…

Reste. N’allume pas la lampe. Que nos yeux
S’emplissent pour longtemps de ténèbres, et laisse
Tes bruns cheveux verser la pesante mollesse
De leurs ondes sur nos baisers silencieux.
Nous sommes las autant l’un que l’autre. Les cieux
Pleins de soleil nous ont trompés. Le jour nous blesse.
Voluptueusement berçons notre faiblesse
Dans l’océan du soir morne et délicieux.
Lente extase, houleux sommeil exempt de songe,
Le flux funèbre roule et déroule et prolonge
Tes cheveux où mon front se pâme enseveli…
Ô calme soir, qui hais la vie et lui résistes,
Quel long fleuve de paix léthargique et d’oubli
Coule dans les cheveux profonds des brumes tristes.»

«Fica. Não acendas a lâmpada…
.
Fica. Não acendas a lâmpada. Que os nossos olhos
Se encham de trevas demoradamente, e deixa
Os teus negros cabelos verterem a pesada moleza
De suas ondas sobre os nossos beijos silenciosos.
Estamos ambos cansados, tu e eu. Iludidos
Pelos céus inundados de Sol. Fere-nos o dia.
Embalemos com volúpia a nossa fraqueza
No oceano do entardecer morno e delicioso.
Lento êxtase, sono agitado isento de sonho,
O fluxo fúnebre corre e decorre e prolonga
Os teus cabelos, onde jaz minha fronte pasmada…
Ó tarde serena , que odeias a vida e lhe resistes,
Que longo rio de paz letárgica e de esquecimento
Desliza nos cabelos profundos das brumas tristes.»

.

Gymnopédies | Gimnopédias

Padrão

Oblique et coupant l’ombre un torrent éclatant
Ruisselait en flots d’or sur la dalle polie
Où les atomes d’ambre au feu se miroitant
Mêlaient leur sarabande à la gymnopédie

(J.P. Contamine de Latour)

«Les Gymnopédies sont une très ancienne fête lacédémoniène, célébrée en été, en l’honneur d’Apollon Dromaios; des choeurs de jeunes spartiates nus y exécutaient des danses, accompangés de chants, autour des statues d’Apollon, d’Artémis et de Latone.»
«As Gimnopédias eram uma antiga festa espartana em honra de Apolo, celebrada no verão; nessas festividades coros de jovens espartanos nus executavam certas danças ao ritmo de canções, em redor das estátuas de Apolo, Ártemis e de Leto.»

.

A lenda da Iára

Padrão

iara.jpg

Martha Pawlowna  Schidrowitz

Deitada sobre a branca areia do igarapé, brincando com os matupiris, que lhe passam sobre o corpo meio oculto pela corrente que se dirige para o igapó, uma linda tapuia canta à sombra dos jauarís, sacudindo os longos e negros cabelos, tão negros como os seus grandes olhos.

As flores lilases do mururé formam uma grinalda sobre sua fronde que faz sobressair o sorriso provocador que ondula os lábios finos e rosados. Canta, cantando o exílio, que os ecos repetem pela floresta, e que, quando chega a noite, ressoam nas águas do gigante dos rios.

Cai a noite, as roas e os jasmins saem dos cornos dourados e se espalham pelo horizonte, e ela canta e canta sempre; porém o moço tapuio que passa não se anima a procurar a fonte do igarapé.

Ela canta e ele ouve; porém, comovido, foge repetindo: − «É bela, porém é a morte… é a Iára».

Uma vez a pirassema arrastou-o para longe, a noite o surpreendeu… o lago é grande, os igarapés se cruzam, ele os segue, ora manejando o apucuitaua com uma mão firme, ora impelindo a montaria, apoiando-se nos troncos das árvores, e assim atravessa a floresta, o igapó e o murizal.

De repente um canto o surpreende, uma cabeça sai fora de água, seu sorriso e sua beleza o ofuscam, ele a contempla, deixa cair o iacumá, e esquece assim também o tejupar; não presta atenção senão ao bater do seu coração, e engolfado em seus pensamentos deixa a montaria ir de babuia, não despertando senão quando sentiu sobre a fronte a brisa fresca do Amazonas. (…)

Continua aqui.